terça-feira, 8 de Maio de 2012

NOVIDADE: RÚBRICA SEMANAL!

"A Saúde pela Natureza" é a nova rúbrica semanal, da autoria de Tiago Cabeleira (Naturopata).
Cada semana teremos um artigo diferente com informação que poderá ser bastante útil.
Não percam!


CARDO-MARIANO: A PROTECÇÃO HEPÁTICA

O Cardo-Mariano, também conhecido como Cardo-de-Santa-Maria ou Cardo-Leiteiro, tem como nomes científicos Silybum marianum ou Carduus marianus L. Está descrita como uma planta vigorosa, de aspecto espinhoso, que atinge até dois metros de altura. As suas folhas, grandes e espinhosas, chamam a atenção pelas manchas brancas que se estendem ao longo das nervuras. É uma planta originária da região mediterrânea, mas vegeta também na Europa Central, na América e Sul da Austrália. Esta planta é muito cultivada e é frequente em Portugal.

As suas propriedades terapêuticas devem-se à silimarina, da qual a silibidina é o principal constituinte. A silimarina é capaz de estimular a regeneração das células hepáticas, estimular a síntese de proteínas nas células hepáticas, e além disso possui uma importante acção anti-inflamatória sobre o mesênquima do fígado (tecido fibroso de suporte). A silibidina tem capacidade de aumentar a produção do glutatião, um poderoso antioxidante. O glutatião constitui muito simplesmente a primeira linha de defesa do organismo contra o stress oxidativo e os múltiplos xenobióticos (toxinas exógenas como os benzenos, metais pesados, pesticidas e outros) que agridem permanentemente as nossas células. A acumulação dos danos oxidativos é o mecanismo bioquímico mais vulgarmente reconhecido do envelhecimento e da degradação das funções fisiológicas a ele associada. Existe uma correlação directa entre o envelhecimento e a redução das concentrações intracelulares de glutatião, bem como uma forte correlação entre o aumento destas concentrações e o aumento da taxa de sobrevida.

Por tudo isto, confere-se acção terapêutica ao Cardo-Mariano nas seguintes situações: degenerescência gorda do fígado, inflamação do fígado, intoxicações por substâncias hepatotóxicas, hepatite, insuficiência e congestão hepática, cirrose hepática.

Recentes estudos científicos realizados comprovaram as propriedades destes compostos quer na desintoxicação e protecção hepática, quer como anti-cancerígeno. As propriedades descritas incluíram: protector hepático, potencial anti-cancerígeno, desintoxicação hepática, preventivo da hepatotoxicidade resultante da quimioterapia, possível capacidade de tratar directamente o cancro, anti-inflamatório, actividade anti-metástases, indutor da apoptose, redução da toxicidade resultante da radioterapia, efeito contra as células do Carcinoma Hepatocelular (CHC), inibidor da proliferação das células neoplásicas, actividade anti-cancerígena e redução da angiogénese.

Após tomar conhecimento de todas estas propriedades do Cardo-Mariano, importa compreender porque é essencial manter a saúde hepática e o correcto funcionamento do fígado

O fígado é o maior órgão interno do corpo humano e funciona como glândula anexa ao tubo digestivo. Fica situado na porção mais elevada da região abdominal logo após o diafragma. Desempenha funções digestivas e excretoras importantes, armazena e metaboliza nutrientes, sintetiza novas moléculas e purifica químicos nocivos. Tem ainda as funções de produzir bílis, armazenamento, biotransformação de nutrientes, desintoxicação, fagocitose e síntese.

O Cardo-Mariano é considerado o principal protector para o fígado, um órgão de extrema importância e que desempenha funções vitais tanto para a saúde como para o bem-estar de quem o toma. Este suplemento pode ser facilmente encontrado em lojas de produtos naturais e ervanárias. A posologia recomendada é de 420 mg a 800mg, em toma única ou dividida em duas ou três tomas diárias.

TIAGO GONÇALVES CABELEIRA
 

3 comentários:

  1. Este blog promete ;) e eu já sou seguidora...


    http://dressedcrisis.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  2. Obrigada Ana (:

    Também há página no FB

    https://www.facebook.com/Chuvadechocolate

    *

    ResponderEliminar